Últimas Notícias
Home / No Brasil / Pastor Silas Malafaia pede que evangélicos parem de protestar contra novela Babilônia, diz jornalista

Pastor Silas Malafaia pede que evangélicos parem de protestar contra novela Babilônia, diz jornalista

nova-abertura-novela-babilonia
O pastor Silas Malafaia fez um movimento de bastidores pedindo para que os parlamentares da bancada evangélica parem de protestar publicamente contra a novela Babilônia, da TV Globo.

Para o líder evangélico, continuar criticando a novela pode resultar em promoção do folhetim global, atraindo a atenção de pessoas que não se interessaram por assisti-lo.

A informação foi divulgada pelo jornalista Lauro Jardim, colunista da revista Veja: “Com grande influência na Frente Evangélica da Câmara, o pastor Silas Malafaia orientou os parlamentares a pararem de bater na Globo devido ao beijo gay em Babilônia. Não por mudar de opinião, mas porque pensa que os ataques exagerados à novela na verdade podem produzir o efeito inverso e promovê-la no futuro”, escreveu Jardim.

O próprio Malafaia foi um dos primeiros a se posicionar contra a novela, e afirmou em um pequeno artigo que “a Rede Globo é a maior patrocinadora da imoralidade e do homossexualismo no Brasil”.

No texto, Malafaia considerou a novela como apenas mais um produto de uma emissora que faz defesa das práticas homossexuais há muito tempo: “A Globo mais uma vez estreou uma novela que é bem peculiar ao que ela vem fazendo há anos. Entra novela e sai novela é uma verdadeira apologia ao homossexualismo e a todo o tipo de perversão moral”, disparou o pastor na ocasião.

O gesto de Malafaia aconteceu ao mesmo tempo que os integrantes da bancada evangélica publicaram uma carta de repúdio a Babilônia e que, nas redes sociais, evangélicos promoveram um boicote à novela.

Como resultado disso, o folhetim escrito por Ricardo Linhares, Gilberto Braga e João Ximenes Braga tem acumulado péssimos índices de audiência para o padrão que a Globo estabeleceu ao longo das décadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

*